Professora Sem Classe



(Bad Teacher - Dir. Jake Kasdan)

Professora Sem Classe tentou ser uma espécie de Papai Noel Às Avessas dirigido por Judd Apatow. Faltou a inteligência do primeiro e a sensibilidade do segundo, ficou só o humor grosseiro, mas um humor grosseiro que não rende nada e não vai para lugar nenhum. Não tenho nada contra passatempos descartáveis, mas este filme ultrapassa todas as linhas de mediocridade. Somos apresentados a uma personagem de potencial, apenas para descobrir que o tanto que sabemos dela no início é o mesmo que saberemos no final. Ora, mesmo obras dementes como Perdendo a Noção tinham uma história definida e desenvolvia seus personagens, mesmo que de forma tão demente quanto o resto da obra.

Cameron Diaz faz a professora que sonha em casar com um ricaço, mas percebe que para isso precisa ter seios maiores. Decide se esforçar na profissão para ganhar um dinheiro numa competição, ou algo do tipo. O filme não se preocupou em explicar direito, eu é que não vou me matar tentando lembrar. Enfim, ela resolve tentar agarrar o nerd rico interpretado por Justin Timberlake, enquanto é paquerada pelo professor de Educação Fìsica (Jason Segel), embora ganhe uma inimiga a altura em Amy (Lucy Punch), uma colega de profissão que se ressente com o sucesso da outra.

Jake Kasdan é um diretor esforçado, A Vida é Dura - A História de Dewey Cox e Efeito Zero são dignos de alguma nota, mas aqui não há qualquer sinal de qualquer direção. Aliás, parece um piloto de uma sitcom estendido. E o roteiro não ajuda em absolutamente nada, especialmente no ato final quando claramente não sabe como nem quando terminar a história, revelando que os roteiristas simplesmente não sabiam o que diabos estavam tentando contar.

Se há um certo sucesso, ele está nas interpretações: Cameron Diaz é uma atriz limitada, mas quando faz uma personagem arrogante sempre fica bem (vide Um Domingo Qualquer). Jason Segel é carismático, Justin Timberlake está, olha só, bem engraçado. Mas são Lucy Punch e Phyllis Smith que realmente vale a pena mencionar, estão impagáveis e salvam qualquer cena em que apareçam.

Pena que não seja suficiente para muita coisa.

NOTA: 3

1 comentários:

alan raspante disse...

o pior filme do ano. simples.

Real Time Web Analytics