Caça às Bruxas


Estava até demorando para Dominic Sena lançar uma porcaria colossal como essa: depois de estrear com o interessante Kalifórnia, sua carreira foi construída em obras extremamente irregulares como 60 Segundos, A Senha: Swordfish e Terror na Antártida, três filmes não exatamente detestáveis, mas completamente esquecíveis. Caça às Bruxas é um filme... ridículo. Parece ter sido feito para impressionar pré-adolescentes do sexo masculino. Não há outra explicação para este épico-fake que não é divertido e é violento demais para ser uma aventura.

O roteiro é uma salada indigesta que mistura as Cruzadas, com a Peste Negra e a Inquisição. Em ordem: dois soldados depois de uma invasão onde milhares de mulheres e crianças foram mortas fogem das Cruzadas, tornando-se desertores da igreja. Voltando a Europa, encontram as cidades tomadas pela Peste Negra, e descobrem que a doença foi causada pelas bruxas mortas que voltaram do inferno.

Ai, ai... pausa para respirar...

Voltando...

O visual do filme é escrotíssimo, a fotografia lembra a de comerciais de TV, os efeitos especiais são terríveis (os lobos conseguem ser tão falsos quanto os de O Exorcista: O Início), e o roteiro deve ter sido escrito por alguém das séries Hércules ou Xena (lembram?). Se isso não fosse o bastante, o roteiro é ainda moralmente desprezível: no início, o personagem de Nicolas Cage afirma que luta por Deus, e não pela Igreja, porém conforme o filme avança ele se torna incapaz de tolerar até mesmo de ouvir uma oração. Não sei se era a intenção dos realizadores, mas no final das contas, sem querer querendo, Caça às Bruxas conclui que quem está contra a igreja, está contra Deus (mas novamente, acredito que tenha sido incompetência, e não más intenções). 

Fora isso, Nicolas Cage está se tornando um ator indispensável em filmes ruins, mas pelo menos não dá o overacting que ao menos diverte de vez em quando, enquanto Ron Perlman é obrigado a soltar piadinhas sem graça a todo momento. Claire Foy é a mais esforçada, mas com um roteiro desses, a impressão é de que os atores que se esforçam menos para interpretar passam menos vergonha.

Se há um elemento que evite a nota zero aqui, é que o filme ao menos tem um ritmo aceitável no início. Sim, é ridículo, e as batalhas mostradas no início são plágios descarados de 300, mas ao menos a história flui, algo que também aconteceu com o péssimo Demônio. Infelizmente, Caça às Bruxas além de babaca e escroto, ainda apresenta uma reviravolta que acaba com isso, transformando seu final numa tortura assustadora, lenta e violenta. 

Do público.

NOTA: 1

3 comentários:

Anônimo disse...

vc tiago nao sabe de nada e um grande filme mexer com gente pessoas e ridiculo eu tenho vergonha de ser homem nos somos lixos pior que lucifer e vc e o pior de todos seu miseravel vc acha melhores que os outros mas vc e um lixo

Anônimo disse...

nos culpamos pessoas inocentes pelos nossos atos vc fala que o filme e porcaria tente vc fazer um filme seu filho da puta

Anônimo disse...

É, Tiago, você é um feio. Cara de melão! Cocô pum!

Real Time Web Analytics