O Mistério de Grace


Lição a ser aprendida: sempre desconfie quando ler em algum lugar que um filme causou furor no Festival de Sundance. Às vezes, pode ser um Nossa Vida sem Grace ou Primer, mas na maioria dos casos é uma bizarrice como O Sinal ou este O Mistério de Grace (que dizem que várias pessoas passaram mal assistindo). O filme conta a história da mãe que depois de um acidente de carro (quando seu marido também faleceu), acaba perdendo o filho que está em sua barriga. Depois de realizar o parto para retirá-lo, o bebê misteriosamente revive. O ó do borogodó é que o bebê Grace não toma leite materno e sim, sangue.

A idéia é bacana e chama a atenção. Eu tinha a esperança de que lembrasse os primeiros filmes de Cronenberg (que também tinham premissas bizarras e eram bons, apesar dos pesares), e de fato, em seus melhores momentos, O Mistério de Grace até surpreende. O momento em que Grace renasce é dramaticamente eficiente,    assim como a cena em que a mãe descobre o gosto bizarro da flhotinha (que parece ter sido uma alucinação, algo que é abandonado já na cena seguinte).

Infelizmente, o que começa como um filme interessante, apesar dos problemas, acaba se revelando uma piada de mal gosto, que não faz rir e nem assusta. E o conflito entre nora e sogra é absolutamente bizarro, no pior dos sentidos. E para piorar, o roteirista e diretor Paulo Solet corre um risco sério ao fazer de sua protagonista uma ex-homossexual (existe isso?) vegetariana. Não sei se foi a intenção dele, mas há o risco do filme ser visto como uma metáfora infeliz sobre adoção entre casais homossexuais.

NOTA: 3

3 comentários:

Quéroul disse...

né? primeira coisa que eu pensei: 'xi, vegetarianos e/ou homossexuais se danaram com esse filme'.

mas, bizarramente, eu não desgostei. quer dizer, não é um filme que eu iria rever, tampouco recomendar pra alguém, cruz-credo.
mas eu tb achei a ideia boa, achei triste e achei que poderia ser muito melhor feito.
mas aí resolveram cagar e, bem... deu nisso.

além de ter uma das piores partes finais de um filme já feito, tem um título nacional horroroso.
mania de enfiar 'mistério', 'maldição', 'o segredo' e afins, viu...

Tiago Lipka disse...

Curiosamente, quem com essa mania de títulos é o Cronenberg:

Scanners vira: Scanners - Sua Mente Pode Destruir

Videodrome vira: Videodrome - A Síndrome do Vídeo

Crash vira: Crash - Estranhos Prazeres

e assim vai... realmente irritante...

luhh disse...

"Lição a ser aprendida: sempre desconfie quando ler em algum lugar que um filme causou furor no Festival de Sundance."

Essa frase define o que penso a respeito, hahahahahahaha. O pior é que o filme é bem ruinzinho mesmo. Esperava BEM mais por toda a propaganda que fizeram.

Real Time Web Analytics