Eclipse (2010)


Eclipse é o melhor filme até o momento da tal saga Crepúsculo. Primeiro, convenhamos, não era nada dificil. Mas o mais impressionante é que, em raros momentos, o filme apresenta boas idéias ,que tapam buracos na história de maneira até interessante, e além disso, Eclipse se mostra muito mais eficiente como filme do que Crepúsculo e Lua Nova, que são chatos e malas. Ao menos, este mais recente não provoca bocejos.

Dirigido por David Slade, dos bons Menina Má.com e 30 Dias de Noite, Eclipse utiliza a dúvida de Bella se casa ou não com Edward como espinha dorsal da história, o que é uma idiotice tremenda, ja que fomos obrigados a vê-la correr atrás do machinho por dois filmes, então porque diabos ela faria um ânus adocidado (ou cu doce) justamente nessa hora? Fora isso, há uma trama bestinha sobre um exército de vampiros recém-mordidos, que é tratada de maneira pedestre. 

Mas como disse antes, Eclipse tem seus bons momentos: o principal, já ficou famoso, que é o momento gay entre Jacob e Edward, que certamente amplia os horizontes do triângulo amoroso com um belo arco-íris ao fundo. Mas fora isso, o pai de Bella é mais bem definido (a cena em que ele tenta conversar com ela sobre sexo é bem divertida), e o que realmente garante o sucesso do filme é que a trama parece se levar menos a sério: há mais humor, menos aporrinhação mitológica, e mais preocupação em entreter. Isso salva Eclipse. 

Mesmo assim, o filme ainda comete o erro terrível de apresentar flashbacks de alguns personagens do clã vampiresco. Não, os flashbacks nao atrapalham a história, e são bem filmados e mostrados. O erro é que, pelos flashbacks, deu pra ver que qualquer outro personagem dentro daquele filme é mais interessante do que Bella, Edward e Jacob. 

NOTA: 5

1 comentários:

Dave Coelho disse...

Tiago, em algum momento de junho de 2009, depois(!) de já ter discutido muito sobre a mediocridade de Crepúsculo, resolvi sentar, cheio de espírito cristão, pra ver o filme.
E, sério, fui lá com amor e vi tudinho disposto a assumir, caso gostasse.
Lastimavelmente (ou não) não foi o caso. E nem é falta de sensibilidade, pq eu choro até com Wallace e Gromit. Só acho que pra quem ama cinema, ver filmes ruins é muito mais dolorido.
Por isso eu não preciso de Lua Nova, nem de Eclipse, nem do que mais venha nessa esteira.
Abs.

Real Time Web Analytics