Terra de Sonhos


Terra de Sonhos é um filme extremamente pessoal para Jim Sheridan, tanto que foi o roteiro foi escrito por membros de sua família, contando sua jornada dentro dos Estados Unidos. Mas o grande acerto é o elenco, que é capaz de consertar os poucos clichês da história com a força de suas interpretações, mas principalmente, fazer o espectador se identificar de maneira quase absurda com aquela família.

Narrado pela filha mais velha de 11 anos, ela conta a história de sua família, que a pouco tempo sofreu uma tragédia com a morte de seu irmão. Enquanto seu pai e sua mãe fazem de tudo para se recuperar do trauma enquanto tentam sobreviver em Nova York, a garota e sua irmã mais nova, Ariel, tem que enfrentar o choque cultural e a solidão de uma das cidades mais habitadas do mundo.

Paddy Considine e Samantha Morton oferecem performances sólidas e contidas, sem jamais se apoiarem em nenhuma "muleta" dramática. Enquanto as jovens Sarah Bolger e Emma Bolger brilham em toda e qualquer cena em que apareçam, principalmente Emma que cativa o público desde sua primeira cena, e se torna uma das personagens infantis mais adoráveis que já vi. 

Djimon Hounsou que recebe a ingrata tarefa de ser o "personagem misterioso que vai mudar a vida de todos"... bem... consegue se sair muitíssimo bem na tarefa, e ganhou uma merecidíssima indicação ao Oscar por esta performance. Desde a cena em que se entrega a um choro contido ao ouvir a história do irmão das garotas, até o confronto com o pai delas, o ator consegue criar um ser humano de carne e osso onde, normalmente os filmes não fazem questão.

Emocionante, trágico, mas extremamente corajoso e inspirador, Terra de Sonhos pode não ser tão genial quanto outros filmes do diretor, como Em Nome do Pai ou Meu Pé Esquerdo, mas é difícil ignorar a sua própria força que vem de uma cativante simplicidade, que faz toda a diferença.

NOTA: 10

1 comentários:

Quéroul disse...

é um filme fofo.
mas é só isso que me lembro... :/

Real Time Web Analytics