Ervas Daninhas


"Seria justo culpar um gênio da música pelos seus pecados recentes?". Essa dúvida é mostrada numa rápida cena de Alta Fidelidade, e foi com ela que fiquei na cabeça depois de ser torturado por uma hora e meia por Alain Resnais, diretor de filmes importantíssimos, como Hiroshima, Meu Amor e Noite e Neblina. Ervas Daninhas é o típico filme cabeçudo e esdrúxulo que alguns grandes diretores fazem no piloto automático, esperando que o público admire-o apenas por ser dele, assim como os recentes Abraços Partidos ou Aconteceu em Woodstock.

O filme é uma comédia involuntário e sem graça: uma sátira do nada. Parece uma mistura incômoda de um episódio de Seinfeld, misturado com Married With Children dirigido por Pedro Almodóvar. Tecnicamente, é impecável, com uma fotografia magnífica, e uma belíssima montagem (com exceção das péssimas telas duplas). 

A história é simples, o que não seria um problema caso tivesse bons personagens, o que definitivamente não é o caso: Georges Palet é um personagem antipático no pior dos sentidos. Jack Nicholson estava antipático em Melhor é Impossível, mas o filme pedia isso. Em Ervas Daninhas, somos colocados ao lado de um babaca casado, que persegue uma mulher ridiculamente, até que a mulher... resolve segui-lo também (numa "ironia dramática"... pífia). 

Com uma cena final surreal que pode tentar (ou não) dar sentido ao filme, Ervas Daninhas é pretensioso e besta como poucos, e só ganha nota aqui, porque pelo menos Resnais sabe criar um visual interessante. Mas é triste ver um filme desses de um cara com quase 50 anos de carreira, ah isso é...

PS: Vários comentários sugerem que o filme é uma paródia do cinema francês ao longo dos anos, blablabla. C'mon: paródias são engraçadas, fazem rir. Este filme, não.

NOTA: 3

2 comentários:

Quéroul disse...

tem um spoilerzinho aqui. hihi.




eu tentei gostar. eu gostei da cena da bolsa, no começo, lá no Palais Royal. eu achei a mulher linda, mesmo com aquele cabelo terrível. eu tentei até o final achar que era legal.
mas quando tem aquela cena final infeliz, não deu né? virou piada pro resto da vida, o diiia inteiro depois repetindo que se fosse gato, se poderia comer a ração... Q???

enfim. esquecível.

Elton Telles disse...

Ola Tiago!
Concordo em partes.

"Ervas Daninhas" não é nem metade dos demais filmes que assisti do Alan Resnais, mas até gostei do filme. Bem aquilo que tu disse, o cara é mestre em arquitetar boas cenas, e aqui somos presenteados com uma variedade delas. Mas plasticidade não é tudo.

A história realmente não me fixou. O começo até estava promissor, mas depois decai um pouco, sim. Não tem como negar. Mas, ainda assim, foi um filme gostoso de se assistir. Um pouco de David Lynch: vc já está perdido, mas a experiência até que é agradável - com um parêntese de que "Ervas..." também nao chega perto de nenhuma obra de Lynch. =)


abs!

Real Time Web Analytics