A Última Cartada


Narc surpreendeu muita gente (inclusive eu), e trasformou Joe Carnahan numa das grandes promessas do cinema norte-americano. Depois de quase dirigir Missão Impossível 3, Carnahan realizou este A Última Cartada que apesar de ser bastante inferior do que se esperaria dele, tem méritos suficientes para mantermos o respeito pelo diretor.

No primeiro ato, o filme rapidamente estabalece a história: a máfia quer matar o mágico Buddy Aces, já que ele provavelmente irá denunciá-los para o FBI. Então acompanhamos a corrida de vários matadores de aluguel, skinheads piromaníacos (!) e do próprio FBI atrás do mágico. O filme então se transforma numa espécie de Corrida Maluca, mas com todos bem armados e nada simpáticos. 

Assim como em Narc, Carnahan mostra um talento ímpar para criar tensão e bons enquadramentos, e destaco a excelente cena que se passa num elevador, que culmina num tiroteio violento mostrado num plano plonge. Apesar disso, o elenco apesar de estar repleto de grandes nomes fazendo excelentes trabalhos (em especial, Ray Liotta, Ryan Reynolds, Ben Affleck, Chris Pine e Jeremy Piven) é completamente atrapalhado pelos não-atores Common (em sua segunda aparição constragedora - ver O Exterminador do Futuro: A Salvação) e Alicia Keys, que está numa típica atuação que merecia um Framboesa de Ouro

Contando ainda com uma reviravolta final extremamente artificial, A Última Cartada é bom quando dá a sensação de que nada é previsível, e qualquer coisa pode acontecer, algo que felizmente acontece durante boa parte do filme. Infelizmente, no final, dá a impressão de ter sido uma bobagem que nos enrolou o tempo todo, mesmo que uma bobagem bem divertida.

NOTA: 7

0 comentários:

Real Time Web Analytics