Um Olhar do Paraíso


Deveria ter visto isso como um presságio do tamanho da desgraça que Um Olhar do Paraíso é: a poucas semanas do início das filmagens, Ryan Gosling, que atuaria como o pai da garota que é estuprada e assassinada saiu do projeto, alegando "diferenças criativas". Porque digo isso? Porque Ryan Gosling não é apenas o melhor ator de sua geração, mas também notoriamente seletivo com os projetos que trabalha, como comprovam A Garota Ideal, Half Nelson, e até Um Crime de Mestre e Diário de uma Paixão.

E não podia admirar mais Gosling por ter feito isso: Um Olhar do Paraíso é um verdadeiro desastre, um filme sem pé nem cabeça (trocadilho infeliz para esse filme...), e dirigido por Peter Jackson, um dos cineastas mais respeitados e talentosos da atualidade. Eu ainda não consigo acreditar que o mesmo diretor da trilogia Senhor dos Anéis, King-Kong, Almas Gêmeas e Os Espíritos tinha dirigido esse film... digo, troço.

Contando com um dos piores roteiros que já vi na vida, o filme narra a história de uma garota que é assassinada e estuprada e no pós-vida se diverte pelo paraíso, enquanto tenta ajudar seu pai a encontrar seu assassino. Sim, você leu direito: ela se diverte, enquanto tenta ajudar seu pai a encontrar seu assassino. Ah, e também acha tempo para lamentar não ter encontrado o garoto que ela só conversou uma vez na vida. Aparentemente, o pós-vida é bem instável emocionalmente. 

Em sua crítica desse filme, Roger Ebert deu o título do texto de "Depois que você for estuprada e assassinada é que começa a diversão", e o pior de tudo é que essa é realmente a impressão que o filme passa. Por um lado, é interessante que o cineasta não mostre a morte da garota. Por outro lado, não temos qualquer referência da maldade do vilão, interpretado como uma caricatura ruim por Stanley Tucci. Além disso, o cineasta esquece alguns detalhes como... explicar qualquer coisa! Afinal, a garota interfere na vida "real"? Como ela faz isso? Porque ela consegue se fazer ouvir em alguns momentos e em outros não? Aliás, e o paraíso? Ela interfere psicologicamente no ambiente? E por Deus, quem chamou aquela anta para interpretar a amiga japonesa da protagonista, provavelmente a personagem mais odiável que vi nos últimos tempos. 

E não pára por aí: a investigação do pai da garota de início é mostrada de forma interessante (com uma paranóia crescente), mas o que diabos faz ele desconfiar daquele vizinho? E o que diabos faz a irmã da protagonista desconfiar dele? Porque o cachorro deles latiu ali? É ridículo, estapafúrdio, cretino e imbecil a maneira como o filme tenta nos convencer de que tudo aquilo faz sentido.

Mas calma, pois Um Olhar do Paraíso ainda consegue piorar muito no desfecho, um dos mais revoltantes e imbecis que já pude conferir nos últimos tempos. Se eu torcia por GI Joe e Transformers 2 no Framboesa de Ouro, podem ter certeza que o que eu realmente gostaria, era a de que esse lixo vencesse a estatueta no lugar.

NOTA: 0

10 comentários:

Cristiano Contreiras disse...

Fico triste de observar tanta gente comentando mal deste filme, tinha ansiedade de conferir já que Peter Jackson é um diretor de mão cheia. Uma pena...

Linkei Sobre filmes e cigarros no meu blog, abraço

Tiago Lipka disse...

Pois é, Cristiano. Eu tbm não achava que Um Olhar do Paraíso fosse tão ruim, justamente porque sou fã do Peter Jackson... mas fazer oq?

João Daniel Oliveira disse...

Cara, concordo com tudo o que escreveu, menos quando você promoveu dois filmes ordinários como Um Crime de Mestre e Diário de uma Paixão.

Mas, este The Lovely Bones é realmente um choque. Logo Jackson, tão perfeccionista...

E até a Saoirse Ronan tá fraquinha. E o que é a última cena do Stanley Tucci? Não sei como não bombou no Framboesa de Ouro deste ano...

NR disse...

eu adoro ver opiniões adversas! Eu comentei sobre esse filme tbm .. mas nossas opiniões são de certa forma bem diferentes. Apesar q a amiguinha do paraíso é de se odiar e nd faz sentido, mas será q ñ era p/ nd fazer sentido? eu vi por esse lado. A unica coisa q mudaria eram aquelas paisagens do paraíso .. achei bem ruizinhas

Tiago Lipka disse...

NR, não me incomodaria se a idéia do filme fosse essa, mas acho que é claro que Peter Jackson tentou fazer um filme sobre o luto, e para isso, criou um paraíso que não se encaixa em nenhuma religião.

Só fracassou miseravelmente. =P

Abraço.

Dave Coelho disse...

Caro Lipka, eu achei o filme super indeciso. Primeiro me pareceu uma história sensível, poética com todos aqueles cenários do purgatório (??!). Em seguida, do nada, rompendo completamente com o clima de lamento, a aparição da Susan Sarandon faz o filme parecer comédia. E ainda a cena da invasão da casa do Staley Tucci virou um thriller de suspense, com direito a serial killer.
Não entendi qual é a do filme, nesse sentido.
Achei tb que a escolha do Mark Wahlberg pro personagem pai da garota foi desacertada. A aflição dele não convence. Como eu o considero um cara competente, prefiro achar que ele não atuou mal, mas está no personagem errado :P
Apesar de não ter cismado tanto com a falta de 'sentido' na história, concordo com você: não dá pra crer que o PJ dirigiu isso. MESMO ASSIM, seu xiita, o filme tem lá seus méritos. Só ainda não consigo falar sobre eles. HAHA
PORRA, PETER JACKSON! tsc

Tiago Lipka disse...

Sim, o filme tem méritos: todos técnicos, mas se fosse por isso, eu não tinha dado zero para Transformers e G.I. Joe, por exemplo...

Abraço!

Roberto F. A. Simões disse...

Eis, pois, um filme que desiludiu meio mundo. Que pena...

Cumps.
Roberto Simões
CINEROAD - A Estrada do Cinema

Adriano Mendes disse...

Um ótimo livro transformado num péssimo filme. Normal hoje em dia.

Anônimo disse...

Nossa... quanto ódio. Filme é algo muito relativo, e acredito que deveria haver mais respeito na recepção de cada um. Por isso não gosto de críticas de cinema, as pessoas colocam suas opiniões como verdade absoluta.

Real Time Web Analytics