Religulous


Religulous é um documentário que não foi lançado (e aparentemente nem será lançado) no Brasil, o que é lamentável, já que o povo brasileiro é conhecido por ser um dos mais católicos (e agora evangélicos) do mundo. Dirigido por Larry Charles (de Borat e Brüno) e estrelado pelo inteligente comediante Bill Maher, o filme pode ser tudo, menos ofensivo: é um documentário que questiona as religiões, sem qualquer resquício de maldade. Bill Maher é um cético que enxerga a religião como um dos principais problemas da atualidade, e como culpá-lo? Como bem aponta Maher, não foram apenas em tempos antigos que foram cometidas barbáries em nome de Deus: o próprio presidente George W. Bush justificou a guerra do Iraque dizendo que era uma missão de Deus levar a democracia para o mundo.

Religulous aliás, é curioso desde o início, quando Maher entrevista a própria família sobre o tema, numa cena engraçada e até comovente, no qual fica claro o propósito de seu filme: ele não quer ofender a fé de ninguém, muito menos ofender o Deus de ninguém; ele só quer perguntar como essas pessoas tão racionais acreditam em coisas que, se analisadas de um ponto de vista extremamente racional, são mentirosas?

E nenhuma religião é esquecida por Maher: se ele inicia discutindo sobre o cristianismo e o judaísmo, logo ele paça pelos mórmons, islâmicos e até cientologistas, e o melhor: o comediante demonstra um invejável conhecimento das doutrinas de cada uma delas, fazendo com que suas perguntas sempre surpreendam os entrevistados. Mas o melhor é quando o próprio Maher é surpreendido: da entrevista com um padre no Vaticano que se revela um dos melhores momentos do filme, até o inacreditável rabino que assinou um documento negando o Holocausto junto ao presidente do Irã. Tão inacreditável que nem mesmo Maher suporta o entrevistado e vai embora revoltado.

Se há um ponto negativo no filme, ele está em algumas entrevistas que não chegam a provocar nada demais, como o mexicano que diz ser a Segunda Vinda de Jesus Cristo. Sim, a entrevista é engraçadíssima, mas o próprio entrevistado é uma piada fácil, principalmente para Bill Maher.

Instigante, inteligente e divertidíssimo do início ao fim, Religulous é um documentário extraordinário em seu corajoso propósito, e é lamentável que não tenha chegado aos cinemas brasileiros. E só há um motivo que consigo pensar para que isso tenha acontecido: aparentemente, ninguém quer que pensemos sobre o assunto...

NOTA: 9,5

2 comentários:

Tiago Ramos disse...

Em Portugal estreou nos cinemas há uns meses, mas não lhe atribuo uma nota tão elevada. É demasiado tendencioso e que não consegue levar a sério e/ou abordar os assuntos mais a fundo do que levou.

Tiago Lipka disse...

Pois é, eu não achei tendencioso (até porque o filme apenas questiona e não prega nada), e acho que relevei as falhas do filme pela presença e carisma de Bill Maher.

Real Time Web Analytics