Lua Nova



É preciso ser um diretor muito, mas muito bom para salvar uma história ruim: Scorsese, por exemplo, conseguiu salvar roteiros fracos como Cabo do Medo e Gangues de Nova York; já Danny Boyle fez merda em Quem Quer ser um Milionário?, assim como Tim Burton em Sweeney Todd. Digo isso porque gosto da carreira de Chris Weitz, diretor desse Lua Nova, principalmente do magnífico Um Grande Garoto. Weitz é um diretor competente que sofre do mesmo mal de Kevin Smith: não se acha um bom diretor, e parece sempre pronto a se sabotar quando fala com a imprensa. Embora aqui, ele realmente deva se sabotar: Lua Nova lembra o primeiro trabalho de destaque dele: American Pie.

O diretor faz o que pode: capricha nos efeitos especiais, nas cenas de ação e até nas passagens de tempo (a passagem dos meses através do plano sequência em 360º é uma agradável surpresa). Além disso, toda a cena que se passa na Itália com os personagens de Michael Sheen e Dakota Fanning são intrigantes e bem construídas (e os dois atores estão espetaculares em meio a tantas atuações fracas).

Mas a pergunta que fica é: isso consegue salvar Lua Nova? Não, e nem Kubrick conseguiria fazer um filme descente com uma história tão capenga e manjada. Conseguindo a façanha de ser ainda pior que Crepúsculo, a trama se apresenta de maneira rápida e eficaz só pra dizer que Edward abandonou Bella (de novo), Bella sofre (de novo), fica amiga do cara que na verdade é um lobisomem (de novo, oh wait...). E a maneira como Bella lida com esse "complexo" triângulo amoroso só fará sentido se no final, ficar claro que a protagonista é na verdade uma completa deficiente mental, capaz de abandonar qualquer ambição na vida por homens que viram purpurina no sol, ou que viram lobos quando ficam brabinhos.

Se no primeiro filme, Kristen Stewart até conseguiu fazer uma boa atuação, aqui ela parece ver a merda que fez e atua com preguiça notável (basta comparar com suas ótimas atuações em O Quarto do Pânico ou Na Natureza Selvagem). Robert Pattinson continua o mesmo, ou seja, uma merda e Taylow Lautner como o lobisomem não é um grande ator, mas é carismático e tem um bom timing cômico.

Quando escrevi sobre Crepúsculo, logo recebi um comentário dizendo que eu fui mal com o filme, pois é um "filme de mulherzinha". Ora, independente do público-alvo do filme, defendo a teoria de que os realizadores devem ter consciência que outras pessoas vão assistir o filme e que não devem apenas agradar um determinado tipo de espectadores. Vários "filmes de mulherzinha" agradaram muitas pessoas: O Diabo Veste Prada ou Titanic, por exemplo são dois filmes excelentes. Mas não posso ser tão chato, afinal Lua Nova é indiscutivelmente superior a Crepúsculo, tanto que se dei uma nota 2 para o primeiro, este segundo recebe uma...

NOTA: 2,1

3 comentários:

NR disse...

infelizmente vou ter q discordar de uma coisa que disse, mas ñ é sobre essa nova saga juvenil. É q acho Sweeney Todd mto bom =P.
Quanto ao Lua Nova confesso que só quero ver para confirmar se é tão ruim quanto o primeiro. Penso q os livros devem ser sensacionais, pois os filmes ñ justificam esses fãs alucinados.
Só vi crepusculo, pq por acaso um dia liguei no telecine bem na hr q estava começando a passar, achei interpretação e efeitos péssimos, e a história nem preciso mencionar. Mas se Lua Nova consegue ser pior nada mais faz sentido hauahuah

Filyppe disse...

Eu assisti tanto ao primeiro quanto ao segundo e acho que ambos tem o seus méritos.

Concordo com você sobre Michael Sheen, Dakota Fanning e a cena em plano sequência de 360°.

Sou um fã da série e realmente gostei do filme, mas não impede que ache sua opinião interessante.

Parabéns pelo blog.

Tiago Lipka disse...

Uma grata surpresa seu comentário Filyppe. =)

Obrigado, e volte sempre!

Real Time Web Analytics