Exótica


 
Assim como as outras obras de Atom Egoyan, o filme é apresentado de maneira não-linear, e somente aos poucos revela ao público a história em todos os seus detalhes. Exótica é um filme deslumbrante que compensa o ritmo lento de seu início com o poder de suas "revelações". O filme é exatamente o que Iñarritu e Guillermo Ariaga queriam fazer em Babel e em seus outros filmes: um perfeito mosaico com o drama de seus personagens. Mas Egoyan evita o melodrama, e cria um filme extremamente frio.

Beneficiado pelas performances absolutamente perfeitas de seu elenco, o filme conta a história de vários personagens que passam pelo clube de striptease Exótica. Desde o DJ que defende sua ex-namorada e agora daçarina no clube, passando pela "cafetona" e seu drama para lidar com a maternidade, o filme funciona como uma introdução perfeita a obra de Egoyan.

A direção de arte e a fotografia do filme são espetaculares. Os planos-sequência dentro da boate são fascinantes, filmados com um voyeurismo estranho, mas respeitoso. Revelando uma dramaticidade impressionante em sua última cena, Exótica é um filme para ser visto e apreciado mais de uma vez. Nem o fato do striptease ser um dos temas do filme parece ser a toa: como em um stripease, Exótica seduz o público, mostrando aos poucos tudo o que tem. No final, acaba ficando só o vazio.

NOTA: 10

2 comentários:

Mari disse...

Droga, tava cansada e acabei dormindo no meio =/....mas hoje eu assisto! xD

Anônimo disse...

pra quem não gosta de filme parado eu não recomendo.podia ser melhor

Real Time Web Analytics