O Show de Truman - O Show da Vida



Fácil, fácil, um dos melhores e mais importantes filmes da década de 90, e outra das grandes provas de que Peter Weir é um diretor bastante subestimado (ele também dirigiu Mestre dos Mares e Sociedade dos Poetas Mortos, por exemplo). Uma sátira social tão, mas tão eficiente que praticamente vivemos sobre a sua sombra. O Show de Truman preveu o que vemos hoje na televisão: os reality shows. E ao mesmo tempo, consegu ser uma curiosa fábula sobre o "sonho americano" (que já se tornou um pesadelo faz tempo), sobre manipulação.

Truman, vivido com talento por Jim Carrey, foi desde criança manipulado para se tornar um bom cidadão, bom filho, bom marido. Não é a toa que, ao perceber que há algo de errado em sua cidade, comece com a ter um comportamento explosivo, ameaçador quase. O criador do programa, Christof é outro personagem memorável. Aparece pouco até, mas a intensidade da atuação de Ed Harris o leva a outro nível.

O Show de Truman é um filme inusitado, e que merece ser assistido duas vezes: numa primeira, para nos emocionarmos pela própria manipulação que o filme nos prega. Na segunda, para apreciarmos o cinismo de uma história em que os mocinhos não saem de frente da TV, parecem não ligar para mais nada, a não ser o dito do aparelho; lembro-me da frase de Videodrome de David Cronenberg "A tela da televisão é a retina da mente". E esse tom de sátira social (quase política) deve ser creditado ao roteirista Andrew Niccol, que em toda sua carreira tem mostrado uma louvável preocupação com o conteúdo dos filmes nos quais trabalha (O Senhor das Armas e Gattaca - Experiência Genética). É uma obra-prima, obrigatória.

NOTA: 10

0 comentários:

Real Time Web Analytics