O Sacrifício



O Sacrifício tem tantos elementos de um filme escroto que fica até difícil defendê-lo. Mas, de fato, não é um filme ruim, tem elementos interessantes, a maioria por causa das obsessões do diretor Neil LaBute, que já fez Na Companhia de Homens e A Enfermeira Betty. O diretor cria uma discussão interessante sobre choques culturais e guerra dos sexos. O problema é o tom do filme, que não se decide entre humor negro e terror. Acaba parecendo uma comédia esquizofrênica, que zomba do terror.

Nicolas Cage exagera um pouco na composição de seu personagem, algo que atrapalha um pouco mais a história. E ainda acredito que ele devia ter pedido uma séria mudança na cena em que se veste de urso. Seus melhores momentos são as porradas na mulherada da vila (Observação: sou absolutamente contra a violência contra as mulheres, mas poxa... ficou engraçado no filme...).

NOTA: 6

1 comentários:

Red Dust disse...

Um filme que se vê a custo. Outro tiro no pé na carreira de Cage. Em todo o caso continua a ser um dos actores mais bem pagos de Hollywood, o que só por si apaga todas as tristezas, Para ele, claro... :)

Abraço.

Real Time Web Analytics