As Confissões de Henry Fool



Hal Hartley é um dos diretores desconhecidos mais legais do momento. As Confissões de Henry Fool é seu trabalho mais conhecido. É uma obra-prima que consegue ser engraçada, as vezes quase demente, e extremamente inteligente, e convenhamos que essa combinação é rara. Homenagem do diretor a literatura, inicialmente estabelece uma relação interessante e "faustiana" entre seus personagens principais para depois subverter e criar um panorama interessante da sociedade americana e a maneira com que ela lida com a arte.

Hartley é um desses diretores únicos que consegue dar uma assinatura ousada e funcional a obra. Vale dizer que esta obra tem duas horas e vinte minutos e parece ter uma hora e meia apenas quando assistido. Isso porque o diretor não enrola. Muitas coisas acontecem no filme, mas não se perde tempo com trivialidades. Se um personagem tem muitas folhas na mão, magicamente aperece um envelope; Se dois personagens precisam noivar, um anel vai aparecer do nada e assim por diante. O resultado é cômico e inteligente.

As Confissões de Henry Fool é um dos melhores filmes independentes lançados nesta década e vale ser assistido por todos que amam o cinema de baixo-orçamento e, oras, por qualquer um que ame o cinema.

NOTA: 10

1 comentários:

mari disse...

Filme maravilhoso...merece ser assistido mais de uma vez!

Real Time Web Analytics