O Operário



O Operário só apresenta um problema. Infelizmente, ele é grande e compromete toda a experiência de assistir ao filme. O problema é que o filme se apresenta como uma trama misteriosa, cheio de pistas e sub-tramas que, logo de cara, já demonstra suas aspirações lynchianas. Nada contra esse tipo de filme (aliás, muito pelo contrário) mas o excesso disso no primeiro ato, faz com que vejamos o filme de maneira intelctualizada, sem nos envolvermos com o drama de Trevor Reznic, o tal operário. E se o filme sobrevive, é graças a intrigante direção de Brad Anderson e, principalmente, a bela interpretação de Christian Bale.

Trevor é um esqueleto humano com cavanhaque que nãodorme a um ano. Sua rotina é trabalhar, transar com uma prostituta e flertar com a atendente de um café. Sua rotina vai por água abaixo quando misteriosos bilhetes começam a ser deixados na sua geladeira e um tal de Ivan começa a se aproximar dele. Ivan o distrai no serviço, e Trevor acaba causando um grave acidente. Quando vai se defender, a surpresa: ninguém conhece o tal Ivan. Tentando se livrar da culpa pelo acidente que decepou a mão do companheiro de trabalho, Trevor vai atrás de Ivan, acreditando que há uma grande conspiração contra ele, ao acobertarem Ivan (e não é a toa que O Idiota de Dostoieviski seja citado).

Bale se entrega (talvez até demais...) ao personagem, e apenas olhar para ele, se revela uma experiência incômoda. O diretor, Brad Anderson, ciente disso, não deixa de nos mostrar detalhes incômodos do corpo do personagem, e cria um ambiente terrivelmente claustrofóbico. Jennifer Jason Leigh como Stevie a "prostituta de bom coração" é outro grande destaque do elenco.

Caso se preocupasse mais com seu complexo estudo da culpa, e menos com a necessidade de criar o mistério logo nos primeiros minutos, O Operário seria um filme muito mais interessante (e garanto que se cortassem a primeira cena envolvendo o tapete no início, o filme já se beneficiaria). Mas mesmo assim, é um longa memorável e emocionalmente exaustivo, que envolve bem o espectador.

NOTA: 8

3 comentários:

Mari disse...

Minha nota é 9,0!
Gostei da primeira cena do tapete!.....porque depois deixa a gente pensando nela.....até q chega o momento em que a entendemos. Adorei o filme e ponto. =)
Beijos!

Tiago Lipka disse...

Ok, me desculpe então. =D

Também gosto da cena, mas acho que ela compromete o começo do filme.

Mari disse...

Compromete nada....é perfeita! =)

Real Time Web Analytics